Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2008 Outubro Mulheres chefiam mais famílias e concentram tarefas domésticas, mostra Pnad
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2008 Outubro Mulheres chefiam mais famílias e concentram tarefas domésticas, mostra Pnad

Mulheres chefiam mais famílias e concentram tarefas domésticas, mostra Pnad

Publicado em 07/10/2008 16:27

Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Cada vez mais as mulheres brasileiras são chefes de família, participam do mercado de trabalho e continuam acumulando a maioria das tarefas domésticas. É o que mostra a série Pnad 2007: Primeiras Análises que, desta vez, aborda os temas população, família e gênero. De acordo com a pesquisa, o resultados indicam “exaustivas” jornadas de trabalho – remunerado e não-remunerado – para as mulheres, além de um aumento das desigualdades de gênero no país.

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), responsável pelo estudo, a proporção de famílias chefiadas por mulheres passou de 24,9%, em 1997, para 33%, em 2007, o que representa um total de 19,5 milhões de famílias brasileiras que identificam a mulher como principal responsável.

 

Durante o mesmo período, famílias formadas por casais com filhos e chefiadas por mulheres também representam um “fenômeno em ascensão”. Entre 1997 e 2007, os números passaram de 600 mil para quase 3,3 milhões. Em 1997, entre as famílias formadas por casais com filhos, apenas 2,4% eram chefiadas por mulheres. Em 2007, a proporção subiu para 11,2%.

A Pnad indica que o aumento de quase 8% pode estar relacionado à maior longevidade das mulheres, aliada a um envelhecimento geral da população. Em quase 27% dessas famílias, a mulher considerada chefe tem 60 anos ou mais e, em muitos casos, mora sozinha. O aumento da participação feminina no mercado de trabalho também é um dos fatores responsáveis pelos índices, pois permite que as mulheres assumam, sozinhas ou com a presença de um companheiro, o sustento de um lar.

O Ipea alerta, entretanto, que embora uma maior presença no mercado de trabalho indique maiores possibilidades de autonomia e emancipação, o aumento do número de famílias chefiadas por mulheres nas quais somente elas são as responsáveis pelo sustento da casa e dos filhos “deve ser lido com cuidado”, uma vez que o aumento pode estar relacionado tanto ao aumento da precariedade da vida quanto do trabalho dessas mulheres.

Dados sobre o cuidado com os afazeres domésticos mostram, de acordo com a Pnad, “uma importante e persistente assimetria de gênero”. A pesquisa indica que o tempo que as mulheres dedicam ao trabalho doméstico é maior do que o dos homens, independentemente da condição na família (chefe ou cônjuge), da escolaridade, da renda ou da condição de ocupação (ocupado, desocupado ou inativo).

Em famílias formadas por casais com filhos, os homens na posição de chefe dedicam 10,05 horas semanais aos afazeres domésticos e, na posição de cônjuges, não ultrapassam 10,44 horas semanais. Já as mulheres consideradas chefes de famílias e que trabalham fora de casa, quando comparadas a homens cônjuges desocupados, dedicam nove horas a mais por semana ao trabalho doméstico.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que, em 2007, 50,5% dos homens ocupados afirmaram cuidar dos afazeres domésticos, contra 89,6% das mulheres ocupadas.

Os dados, segundo o Ipea, confirmam que as mulheres ainda são as principais responsáveis por tarefas como cuidar da casa, dos filhos, dos idosos, da manutenção da família e de todas as atividades relacionadas ao âmbito doméstico.

Ações do documento

Comentários (1)

Usuário Anônimo 15/01/2009 00:52
Eu sempre me pergunto se é proposital a falta de informações tão relevantes neste tipo de matéria, que podem ser obtidas na mesma PNAD, como: a carga horária das mulheres em seus empregos "fora de casa" geralmente é muito menor que a masculina. Enquanto 25% (arredondado) dos homens trabalham com carga superior a 49 horas semanais esta taxa desce para 13% entre as mulheres. Enquanto 3% dos homens tem carga semanal menor que 14 horas entre as mulheres este valor é de 12%. O período médio de deslocamento de casa para o trabalho é maior entre os homens (que geralmente trabalham em indústrias e construção) do que entre as mulheres (que ficam com o comércio e os serviços). Há 4 vezes mais mulheres que trabalham em suas próprias residência que homens.

Engraçado que todos os contrapontos simples e magicamente sumam cada vez que se fala em dupla jornada.

Existe sim, dupla jornada, mas ela não é feminina. É invertida: as mulheres trabalham mais em casa na exata proporção em que trabalham menos na rua. Isto também é indicado na PNAD.

Mas, não sei se por preguiça ou se por má intenção, nunca aparece nos copy and paste sobre dupla jornada de trabalho.

Que pena, seria tão melhor um jornalismo crítico do que um jornalismo de cópias e colas.
Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio12.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio7.png
  • apoio6.png
  • apoio4.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png