Brasil é pior país da América do Sul para meninas

13/10/2016, às 12:43 | Tempo estimado de leitura: 3 min
Em todo o continente americano, o país fica à frente apenas da Guatemala e Honduras, aponta relatório da ONG Save the Children.

Uma sociedade igualitária entre os gêneros ainda parece ser uma realidade distante para o Brasil, é o que aponta relatório da ONG Save the Children, divulgado terça-feira (11/10). O índice, que mede as oportunidades referentes à saúde, desenvolvimento, relacionamentos e educação de meninas, coloca o país em 102a. posição. Os dados levam em conta 144 países.

Em todo o continente americano, o país fica à frente apenas da Guatemala e Honduras, no ranking que considera dados sobre o casamento infantil, gravidez na adolescência, mortalidade materna, representação das mulheres no Parlamento e conclusão do estudo secundário.

O relatório dá destaque à posição do Brasil no ranking, afirmando que o país tem renda média superior e está apenas ligeiramente acima no ranking do “pobre e frágil Haiti”, que aparece em 105o. lugar.

A falta de representação da mulher no Congresso é um dos destaques negativos para a condição de igualdade entre meninas e meninos no Brasil. Por meio de barras coloridas, o gráfico deixa evidente a grande contribuição do parlamento brasileiro para a perpetuação da falta de oportunidades a meninas, como também o casamento infantil e a escolaridade. Segundo dados da União Parlamentar, o Brasil ocupa a 155a. posição no mundo em números de mulheres eleitas para o Parlamento – tem hoje 51 deputadas federais (entre os 513 da Câmara dos Deputados eleitos em 2014).

Leia também:

O retrato da política brasileira: branca, masculina e proprietária

A ONG Save the Children esclarece que “os piores lugares para ser uma garota são os países mais pobres do mundo”, sobretudo na África subsaariana. Outro dado que chama atenção é o desempenho aquém do esperado dos países mais ricos.

O relatório leva em conta a mortalidade materna, estimada a cada 100 mil habitantes; a gravidez entre jovens com idades entre 15 e 19 anos a cada  mil partos; e mulheres que se casam com menos de 18 anos, conclusão do ensino médio e representação feminina parlamentar.

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • NOTA TÉCNICA | Transformação ecológica, F...
    Já é um consenso global de que é…
    leia mais
  • Foto: Inesc | Tatiana Oliveira
    Em meio a catástrofes ambientais, Brasil i...
    Como parte do processo de negociações do clima,…
    leia mais
  • Ministros do G20 recebem proposta para tri...
    Esta semana, nos dias 22 e 23 de…
    leia mais
  • Recomendações da Sociedade Civil sobre Tri...
    Mais de 40 organizações da sociedade civil (OSCs)…
    leia mais
  • Organizações denunciam impacto da desigual...
    O Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos), em parceria…
    leia mais

Cadastre-se e
fique por dentro
das novidades!