Mudanças climáticas: Conferência de Bonn prepara negociações para COP 28

07/06/2023, às 11:05 (atualizado em 06/11/2023, às 17:16) | Tempo estimado de leitura: 3 min
Inesc acompanha debates que tiveram início nesta semana na Alemanha; implementação do Acordo de Paris e combustíveis fósseis estão entre as pautas prioritárias.
Foto: Inesc | Tatiana Oliveira

Limitar o aquecimento global em 1,5ºC até 2030, como prevê o Acordo de Paris, é uma meta de mitigação climática que parece estar cada dia mais distante. Reunidos em Bonn, na Alemanha, até o próximo dia 15 de junho, especialistas, governos e representantes da sociedade civil do mundo inteiro preparam o terreno para as negociações da COP28 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), que ocorrerá nos Emirados Árabes, em dezembro deste ano. 

Representando o Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos), Tatiana Oliveira, acompanha a Conferência de Bonn. Ela participará, junto com parceiros, de um evento que abordará caminhos possíveis para a justiça climática, soluções reais e zero emissões. “O balanço da situação atual revela que não estamos nem perto da redução de 45% das emissões exigidas até 2030″, destaca a assessora política. De acordo com ela, é necessário pensar estratégias justas em termos de gênero e baseadas nos direitos das comunidades. “Isso para fazer frente aos vetores de desmatamento e perda da biodiversidade”. O evento ocorrerá nessa sexta-feira (9) e é realizado em parceria com a Fase (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional), GFC (Global Forest Coalition) e FSF (Friends of Siberian Forests). 

Combustíveis fósseis 

Também como parte da agenda em Bonn, o Inesc e parceiros apresentarão os resultados de um artigo sobre subsídios aos combustíveis fósseis que foi submetido no âmbito do Global Stocktake da UNFCCC (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima). A ação é coordenada pelo IISD (Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável). 

Global Stocktake é um componente do Acordo de Paris que é usado para monitorar a implementação do Acordo e avaliar o progresso coletivo feito no alcance das metas acordadas.

Acesse aqui o artigo (em inglês)

Acesse aqui os destaques (em inglês)

O Brasil é um dos países que mais subsidiam empresas petroleiras. Somente em 2021, o fomento aos combustíveis fósseis no país alcançou R$ 118,2 bilhões. Os dados são da edição mais recente do estudo publicado pelo Inesc: Subsídios aos combustíveis fósseis no Brasil: conhecer, avaliar, reformar. 

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Inesc lança analise sobre PL que propõe re...
    A regulamentação do mercado de carbono no Brasil…
    leia mais
  • Sistema brasileiro de comércio de emissõe...
    O objetivo deste relatório é analisar a proposta…
    leia mais
  • 6ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em Brasília. Foto: Geovanna Ataides
    Combate às mudanças climáticas deve ser pr...
    Entre os dias 11 e 14 de dezembro…
    leia mais
  • Empresas de energia eólica exploram comuni...
    Um recente estudo do Inesc (Instituto de Estudos…
    leia mais
  • Subsídios às fontes fósseis e renováveis (...
    O Inesc monitora os subsídios federais aos combustíveis…
    leia mais

Cadastre-se e
fique por dentro
das novidades!