O abismo de fim a meio: o discurso do Bolsonaro na ONU

24/09/2019, às 18:27 (atualizado em 09/03/2023, às 17:07) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Alessandra Cardoso e Tatiana Oliveira, assessoras políticas do Inesc
Por trás do discurso surreal, está um projeto colonizador para a região amazônica que avança sobre Terras Indígenas

Com um misto de vergonha e desejo de mostrar ao mundo o que se passa no Brasil esperávamos o discurso de Bolsonaro na abertura da Assembleia da ONU. A realidade superou as expectativas e, embora nada do que foi dito seja novidade, o discurso explicitou ao mundo o pensamento do governo brasileiro.

A Amazônia e os povos indígenas ocuparam 11 dos 31 minutos de um discurso que também foi marcado por sucessivas falas sobre como o país está “se reerguendo” e superando um sistema ideológico de pensamento que avançava nos terrenos da cultura, famílias, escolas, universidade e na alma das pessoas.

Por trás do discurso surreal, contudo, está um projeto para a região amazônica, uma “nova operação Amazônia”, que não pode existir sem penetrar nas Terras Indígenas. Nada mais explícito a respeito disto do que as duas principais menções registradas pelo discurso: Agricultura e mineração em Terras Indígenas. Isto, claro, além da afirmação de que não haverá novas demarcações.

Apesar de a introdução do tópico “Amazônia” ter sido ansiosamente esperada, o presidente reforçou apenas a narrativa que já vem sendo trabalhada à exaustão pelo ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e outros agentes públicos, sem obter grandes resultados com os interlocutores internacionais, a saber:

  • A supremacia do discurso desenvolvimentista sobre a abordagem socioambiental como instrumento de combate à pobreza;
  • A necessidade de uma agenda de investimentos que combata o “vazio demográfico amazônico” e promova a proteção à soberania nacional;
  • A eliminação do que foi recentemente apelidado de “ecoideologia”, compreendida como cultura fiscalizadora e tuteladora dos povos e comunidades tradicionais; e
  • Crítica aos interesses econômicos e financeiros das organizações da sociedade civil com ligações internacionais.

Na visão do governo, tais medidas facilitarão uma melhor qualidade de vida nas áreas empobrecidas da Amazônia, estimulando o empreendedorismo indígena, a saúde e a educação. Por isso, o presidente clama por uma “nova política indigenista no Brasil”, que julga mais moderna, o que podemos interpretar, igualmente, como mais colonizadora. Um avanço que não respeita os direitos e os modos de vida dos povos e comunidades tradicionais em prol do crescimento.

Se é verdade, no entanto, que o discurso do presidente Bolsonaro põe diante de nós um abismo aparentemente inescapável, também é verdade que toda situação extrema aguça a imaginação e estimula a elaboração de saídas. Embora grave, queremos pensar o abismo não como um fim, mas como um meio que levanta os movimentos e a sociedade e impulsiona a defesa da Amazônia. Este é o primeiro movimento, e crucial, para enfrentar o horror que o presidente pôs diante de nós.

Leia também: Soluções para as queimadas na Amazônia já existem

>> Se interessou pelo tema? Cadastre-se e receba nossos conteúdos por e-mail!

Categoria: Artigo
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Inesc lança analise sobre PL que propõe re...
    A regulamentação do mercado de carbono no Brasil…
    leia mais
  • Sistema brasileiro de comércio de emissõe...
    O objetivo deste relatório é analisar a proposta…
    leia mais
  • 6ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em Brasília. Foto: Geovanna Ataides
    Combate às mudanças climáticas deve ser pr...
    Entre os dias 11 e 14 de dezembro…
    leia mais
  • Empresas de energia eólica exploram comuni...
    Um recente estudo do Inesc (Instituto de Estudos…
    leia mais
  • Subsídios às fontes fósseis e renováveis (...
    O Inesc monitora os subsídios federais aos combustíveis…
    leia mais

Cadastre-se e
fique por dentro
das novidades!